quinta-feira, 3 de maio de 2012

quarta-feira, 4 de abril de 2012

Páscoa sem exageros - pros pequenos!


As crianças adoram chocolate e, por isso, é tão difícil dar um breque na comilança. Como encontrar o meio-termo e tirar proveito da guloseima, que é cheia de atributos?
No meios das variedades de sabores do chocolate, no ranking dos especialistas, o chocolate amargo ocupa lugar de honra. Ele concentra boa quantidade de substâncias antioxidantes, que reduzem o risco de doenças cardiovasculares, é ótimo tanto para os adultos como para os pequenos. Além disso, apresenta propriedades antiinflamatórias, melhora o humor e dá o maior pique.
Só que, na preferência infantil, a versão amarga perde para o chocolate ao leite e companhia. É aí que mora o perigo. "No processo de fabricação desses tipos, entram as maléficas gorduras saturadas", argumenta Priscilla Efraim, engenheira de alimentos do Instituto de Tecnologia de Alimentos Chocotec (Ital), de Campinas (SP). "A versão diet só se diferencia por não conter sacarose. Então, está liberada para os diabéticos. Já o orgânico não tem nenhum tipo de aditivo químico na sua composição." Sem dúvida, é um ponto a favor deste último, mas... infelizmente, as tais moléculas gordurosas, nada saudáveis, também marcam presença.

A gordura não é o único senão. "Por causa também do teor elevado de açúcar, o exagero pode levar à obesidade e aumentar a incidência de cáries", alerta a engenheira de alimentos. 

Como dosar? "A dica é partir uma barra em pedacinhos e oferecer um pouco por vez." Para não deixar nenhuma margem a dúvidas, a nutricionista Adriana Servilha Gandolfo, do Instituto da Criança do Hospital das Clínicas de São Paulo (FMUSP), resume, numa frase, um conceito sobre o qual especialista nenhum discute: "Criança tem que ter hábito alimentar saudável, com ingestão de frutas, verduras, legumes e pouca gordura". 30 gramas por dia está o.k., desde que a criança não esteja acima do peso.

Outra questão que enche de pontos de interrogação a cabeça dos pais: qual a melhor idade para liberar a iguaria? "A partir de 1 ano", defende Adriana Bajzek Barbosa, pediatra do Hospital São Camilo, em São Paulo. "O que pode causar problemas é o modo como o chocolate entra na dieta."

Uma regra de ouro é oferecer a guloseima como sobremesa, mas não fazer do chocolate uma moeda de troca para a criança raspar o prato. "Transformar o doce em prêmio é estimular maus hábitos alimentares", condena Adriana Bajzek, que faz questão de enfatizar: "Ela tem que aprender desde cedo a comer de tudo um pouco".

quarta-feira, 28 de março de 2012

Tarantino's Day!

Só porquê tô com muita preguiça de escrever, e porque eu amo essa mente diabolicamente simpática e criativa de Quentin Tarantino; o blog Petiscos comemora - e diga-se de passagem, foi aí que eu soube do aniversário - os 49 anos, que foi no dia 27 de  março. 

juliapetit.com.br

Parabéns! 
♥♥♥

terça-feira, 27 de março de 2012

Caveira, Caveiruda, Cavereira, Descaveirada!

Não, eu não quis dizer cabelo, você leu certo!
Têm caveira de todos os tipos, pra todos os gostos. 
Das mais dramáticas até as mais cuti-cutis...
Acessórios, tattoos, desenhos, e aí qual a sua?



















Fonte: rabiscosemfotos
Googledavida



Sorrir vai mentindo a sua dor...

O bom humor precisa ser sincero, com uma postura positiva e aberta para enfrentar o que vier com mais disposição.


Fico pensando o que seria de nós sem esta pitada de humor no trabalho, e principalmente ente amigos. 


Vejam a realidade: a indignação pelo clima de impunidade que se espalha na política brasileira; a indisposição de grande parte dos políticos; senão todos, em fazer valer a justiça social e coletiva; relações pessoais que não se acertam; casamentos cheios de problemas que se arrastam sem diálogo; amizades frias com inúmeros interesses; empregos rígidos e burocráticos; lideranças cansadas; chefes chatos; problemas econômicos; dívidas; problemas de saúde; a rotina...



Definitivamente, sem o bom humor, estaríamos todos fadados à  burocracia da vida. Sim, a vida também, assim como o trabalho, pode ser levada com muitas regras, chegando a ser insuportável às vezes, mas com muito humor o que é pesado torna-se leve, o que dá enfado tona-se agradável. 


O humor traz de volta o encanto e a beleza que os infortúnios da vida fizeram questão de sucumbir. Por mais difíceis as circunstâncias do momento, não há nada que justifique a ausência de bom humor para contornar ou superar todas elas.


Não fuja de situações frustantes - Use-as para amadurecer.
Permita-se errar - Não é ser pessimista, mas considerar que há sempre ao menos duas possibilidades e uma delas pode ser diferente da sua expectativa.
Organize sua rotina - Planejamento ajuda a evitar aflições.
Comemore cada pequena conquista - Momentos simples precisam ser valorizados.
Esvazie a cabeça - Esforce-se para resolver um problema num certo período, depois disso mude o foco e pense em outras coisas, sua saúde mental agradecerá.
Dê risada!!!




Fonte: Leve & Leia. Mar2012

terça-feira, 20 de março de 2012

Saco de lixo feito com jornal

Todo mundo sabe que as ecobags serão utilizadas devido a lei em muitos estabelecimentos. A questão é que muitas pessoas reaproveitavam o saco plástico do supermercado nas lixeiras de casa. E daí surge a dúvida: como substituir os sacos plásticos fornecidos pelo supermercado já que os sacos que têm para vender também são de plástico? 


Nesse vídeo apenderemos a fazer saquinho de jornal feito de dobradura. É rápido, fácil e sustentável!

Voila!

quinta-feira, 8 de março de 2012

O mundo sem as mulheres!


Por Arnaldo Jabor 

O cara faz um esforço desgraçado para ficar rico pra quê?
O sujeito quer ficar famoso pra quê? 
O indivíduo malha, faz exercícios pra quê? 
A verdade é que a mulher é o objetivo do homem.
Tudo que eu quis dizer é que o homem vive em função da mulher.
Vivem e pensam em mulher o dia inteiro, a vida inteira.
Se a mulher não existisse, o mundo não teria ido pra frente.
Homem algum iria fazer alguma coisa na vida para impressionar outro homem, para conquistar sujeito igual a ele, de bigode e tudo.
Um mundo só de homens seria o grande erro da criação.

Já dizia a velha frase que "atrás de todo homem bem-sucedido existe uma grande mulher". O dito está envelhecido...
Hoje eu diria que "na frente de todo homem bem-sucedido existe uma grande mulher".

É você, mulher, quem impulsiona o mundo.
É você quem tem o poder, e não o homem
É você quem decide a compra do apartamento, a cor do carro, o filme a ser visto, o local das férias.
Bendita a hora em que você saiu da cozinha e, bem-sucedida, ficou na frente de todos os homens. 
E, se você que está lendo isto aqui for um homem, tente imaginar a sua vida sem nenhuma mulher.
Aí na sua casa, onde você trabalha, na rua. Só homens.
Já pensou?
Um casamento sem noiva?
Um mundo sem sogras?
Enfim, um mundo sem metas... 

Aumente o bem-estar em sua rotina diária!


Todas nós, mulheres, temos os nossos "ralos de tempo". São aquelas atividades ou hábitos por onde nosso tempo se esvai, sem que tenhamos muita ideia "de como". Quem não conhece pessoas que vivem reclamando que não fazem as coisas que deveriam fazer porque não encontram tempo? Algumas de nós vivem cansadas, correndo, ansiosas e insatisfeitas, como se o tempo escorresse entre nossos dedos. A consequência de não sabermos com o que estamos gastando grande parte do nosso tempo é viver com a sensação de total falta de controle sobre nós mesmas e sobre nossa vida.
Reflita sobre o que lhe dá prazer e comece a criar um espaço diário para aumentar o bem-estar na sua rotina. Para criarmos novos hábitos mais saudáveis, precisamos de um "empurrão" inicial, que esse planejamento irá proporcionar. Faça um compromisso com você mesma, para fazer aflorar sua feminilidade em cinco dimensões: instinto, intuição, criatividade, inquietude, sensibilidade.
Mulheres sensíveis e intuitivas escutam mais os seus instintos e podem usar a criatividade a seu favor na hora de montar esse planejamento. O primeiro passo é priorizar o que é realmente essencial. Seja inquieta e inove!
Se você não consegue se priorizar porque já tem atividades demais, aqui vão algumas decisões simples que podem ajudá-la a escapar dessa ciranda:
  • 1Abra seus e-mails apenas duas vezes por dia, a salvo quando estiver aguardando algo urgente.
  • 2Organize-se para chegar no mínimo quinze minutos antes de qualquer compromisso, assim você ganha tempo para contornar imprevistos de última hora e ainda chega tranquila, com sua roupa muito bem passada e seca.
  • 3Estipule para você um horário durante o dia em que irá retornar todas as ligações; caso sejam demoradas, combine com a pessoa um horário conveniente para ambos.
  • 4Defina quais sites ou jornais e revistas irá ler e quais programas de TV irá ver por semana, para não se perder com tantas informações.
  • 5Peça ajuda para amigas e parentes e divida suas tarefas, propondo uma espécie de revezamento. Por exemplo, cada um pega as crianças na escola ou nas aulas de inglês duas vezes por semana.
  • 6Se você possui uma assistente em casa, treine-a e dê autonomia para que ela faça pequenos serviços, inclusive de rua, ligue para pessoas para passar recados ou agende entregas/retiradas na sua casa. Faça compras pelos sites e agende a entrega para o dia em que ela está presente.
O coach americano Timothy Gallwey nos explica que substituir hábitos por outros melhores e mais saudáveis é mais fácil do que apenas tentar abandonar hábitos que não estão nos conduzindo aos nossos verdadeiros objetivos. As principais perguntas que você deveria se fazer agora são:
  • De 1 a 10, o quanto estou comprometida comigo mesma?
  • A partir de qual data terei mais tempo para o que é realmente essencial em minha vida?
Estipule um prazo para iniciar sua mudança e compartilhe seu planejamento com uma amiga ou familiar de confiança, que possa dar aquele apoio ou estímulo extra nos dias em que o velho padrão teimar em surgir novamente.
E aprenda a se desapegar da fantasia de que "se eu não fizer, não ficará bom". Apenas pessoas que não sabem ou não querem se dedicar a formar outras pessoas é que acabam sobrecarregadas por essa crença.
Mãos à obra, faça da sua vida sua "tela" pessoal e use suas cores, intuição e criatividade para pintá-la e ser feliz - do seu jeito.

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Danuza Leão

Nascida em Itaguassu, no Espírito Santo. Foi modelo profissional nos anos 50, atualmente é colunista do jornal Folha de São Paulo. E considera Paris o melhor lugar do mundo.

Posou para o pintor Di Cavalcante e teve uma calça sua da Yves Saint-Laurent surrupiada pela atriz Kim Novak, durante sua passagem pelo Brasil. Com o ator francês Daniel Gélin, de A Ronda, teve um affair marcante.
É mãe da artista plástica Pinky Wainer, do falecido jornalista Samuel Wainer Filho e de Bruno Wainer, empresário do ramo de distribuição cinematográfica, e avó do ator Gabriel Wainer.
Em 1992 obteve um grande êxito editorial com Na Sala com Danuza. Em 2006 lançou sua autobiografia Quase Tudo.
Danuza Leão, ainda declara frases marcantes como: “Sou uma pessoa de alma essencialmente suburbana.” e "Se quiser que o mundo saiba de uma determinada história, escolha a pessoa certa, conte e peça SEGREDO absoluto."

OBRAS

E TUDO TAO SIMPLES

Editora: Agir

"O mundo deu muitas voltas desde que Danuza Leão escreveu seu primeiro livro: Na sala com Danuza. Agora, 20 anos depois, a colunista fala com aquele charme que lhe é peculiar sobre etiqueta pós-internet, romance pós-celular e outras pós-modernidades. Com dicas para as classes emergentes sobre o que levar na primeira viagem de avião, para o filho que quer contar para a família que é gay e para as mães que estão vivendo sua segunda juventude depois dos 40, Danuza aposta num mundo sem ostentação e regras rígidas de etiqueta, em que o chique é ser simples e de bem com a vida."




FAZENDO AS MALAS

Editora: Companhia das Letras

"Afinal, o que é uma mulher sem malas?”
Essa é a pergunta que faz Danuza Leão ao se preparar para uma viagem curta à Europa. Tudo começa numa de suas constantes insônias, que ela tenta inutilmente driblar lendo, escrevendo, vendo televisão, ou mesmo trocando de lugar os móveis da sala. Ou, ainda, deixando a imaginação viajar. Pois foi da combinação entre um filme na televisão — com Ava Gardner, Tyrone Power, Errol Flynn e muitas touradas e flamencos — e suas divagações que lhe veio a idéia: por que não voltar à caliente Sevilha na época da animadíssima Feria?
Daí para uma viagem que incluísse, além da capital da Andaluzia, Lisboa, Paris e Roma foram apenas alguns telefonemas para empresas aéreas e hotéis. Tudo muito fácil. Exceto por um pequeno problema: seria preciso fazer a mala, ou melhor, as malas. Como diz Danuza, ela costuma levar, segundo os seus critérios, o mínimo possível. Só que — ela confessa também — seus critérios “são sempre exagerados”. E assim, graças a uma insônia — e carregando três malas grandes, todas cheias —, ela partiu para a breve e deliciosa viagem que relata neste livro repleto de dicas espertas e saborosas sobre hotéis, restaurantes, passeios e as obrigatórias compras. (Depois de uma jornada nas Galeries Lafayette e no Printemps de Paris, a autora joga a toalha: “Resultado do dia: uma mulher destruída, arrasada, querendo só uma coisa na vida: sossego, e nunca mais ouvir falar de compras. E vendendo a alma ao diabo para arranjar um táxi”.) 
A alegria colorida das festas sevilhanas, as tentações irresistíveis dos doces portugueses, os preços estratosféricos (e a qualidade nem tanto) das maisons e butiques parisienses, e a elegância e o romantismo dos homens romanos são alguns temas desta viagem conduzida pelas mãos sábias de Danuza Leão.
E, com sua ironia graciosa, ela encerra com chave de ouro: “Com todas as agruras que é viajar hoje em dia — as filas no check-in, as revistas para ver se você não é terrorista, as malas que são desfeitas e refeitas —, viajar ainda é das melhores coisas do mundo, e é bom aproveitar agora, já, porque os chineses estão chegando...”."




DE MALAS PRONTAS

Editora: Companhia das Letras

"Quando Danuza Leão faz as malas, é o leitor que pode se aprontar para uma boa viagem. Foi assim quando a autora visitou Sevilha, Lisboa, Paris e Roma em seu último livro, o best-seller Fazendo as malas, e não será diferente agora, neste giro por algumas das cidades mais modernas do mundo. Novamente privilegiando um roteiro enxuto, Danuza visitará São Paulo, Buenos Aires, Berlim e Londres.
O primeiro destino é a capital paulista. Sem se intimidar pelas centenas de lojas, museus, parques e hotéis, Danuza vai fundo na rota do luxo e do moderno, e ainda arruma tempo para desfrutar uma verdadeira madrugada paulistana, entre festas e casas noturnas povoadas pelas muitas tribos da cidade. Atenta às tendências, ela transforma este relato de viagem numa saborosa crônica de costumes, que seus leitores saberão reconhecer.
O mesmo ela fará em Buenos Aires e Berlim, as duas próximas paradas do roteiro, cidades tão distintas quanto autênticas e originais. Na primeira, dá um vislumbre da cultura portenha e passa por museus e cafés, casas de dança, livrarias e cemitérios. Já em Berlim, encontra uma cidade em ritmo de transformação, onde o impacto do fim do Muro se faz ver na moda e na noite, esta última uma das mais agitadas e concorridas da Europa.
E nada mais apropriado do que terminar esse giro em Londres, cidade referência em moda e consumo e um dos grandes centros cosmopolitas do mundo. Lá a autora encontra o que há de mais elegante, porém tudo sempre dentro da fina discrição britânica. Com desenvoltura, Danuza circula entre lojas de quatrocentos anos, sapatarias dignas de príncipes e reis e lendárias chapelarias. 
Ao final, um pequeno guia oferece informações sobre os lugares citados, para quem deseja viajar com sofisticação. Mas a sofisticação de Danuza, vale dizer, não é da ostentação e do luxo pelo luxo. Conforme somos conduzidos por essas cidades, descobrimos que ser sofisticado é viver bem, aproveitar as oportunidades e fugir do senso comum. E nada mal se for acompanhada de uma bolsa bem bacana, porque, afinal, ninguém é de ferro. O que conta é estar entre amigos, e fazer tudo a título de diversão."


NA SALA COM DANUZA (ED. DE BOLSO)

Editora: Companhia de Bolso


"Manuais de etiqueta há muitos por aí. Nenhum deles, no entanto, teve o impacto deste "Na sala com Danuza", lançado originalmente em 1992. O livro passou meses na lista dos mais vendidos — assim como o livro de memórias da autora, Quase tudo —, e a explicação é simples: aqui não se encontram regras dogmáticas, exageros, modismos. O que Danuza apresenta é quase uma crônica da vida em sociedade: os pequenos gestos que melhoram nosso dia-a-dia, o detalhe que faltava para um jantar perfeito entre amigos, a gafe que podemos evitar. E é justo esse tom que dá atualidade ao texto: enquanto uma regra pode cair em desuso, enquanto a moda quase sempre caduca, certas coisas permanecem. Basta saber observá-las."



QUASE TUDO

Editora: Companhia das Letras


"Aos quinze anos, Danuza Leão freqüentava a casa do pintor Di Cavalcanti. Aos dezenove, foi a primeira modelo brasileira a desfilar no exterior. Aos vinte, casou-se com um importante dono de jornal que tinha o dobro da sua idade. Tempos depois, com três filhos pequenos, separou-se para viver um grande amor com um cronista e compositor pobre. Aos quarenta e poucos, já avó, comandou as noitadas das boates Regine's e Hippopotamus (o que lhe valeu capa da revista <em>Veja</em> com o título "A grande dama da noite").
Danuza foi dona de butique, membro de júri de programa de auditório, relações-públicas, entrevistadora de TV, produtora de novela, cronista social, e publicou um livro de enorme sucesso sobre etiqueta moderna. E agora conta (quase) tudo de sua vida extraordinária nestas deliciosas memórias. São muitas histórias alegres ou picantes de uma mulher que sempre prezou sua independência, mas também episódios tristes de quem sofreu perdas dolorosas.
E, como se não bastasse tudo o que é sábia e generosamente narrado ao longo deste livro, há o <em>gran finale</em>, com as melhores páginas que o leitor brasileiro provavelmente leu nos últimos anos. Sem fazer pregações, sem dar receitas, sem propor panacéias, Danuza Leão oferece com simplicidade e franqueza uma imensa lição de vida."


Fontes:
www.travessa.com.br 
www.alexpalhano.com
www.frases.mensagens.nom.br


quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Tendência: Color Block

Combinações? 
Tons claros ou escuros? 
Restart de saia???
AH, TUDO JUNTO!!!


Color Block é a mistura de cores vibrantes sem seguir um padrão exato em um mesmo visu. Cores como laranja, roxo, verde e rosa entraram com tudo neste verão.


Cada um deve combinar-descombinando as cores de acordo com seu gosto pessoal. Por isso vale a criatividade e a ousadia.


Para o dia, os tons vibrantes ficam ótimos!


Já à noite pede combinações mais sóbrias. Em eventos formais vale usar uma única peça de cor forte e jogar um tom neutro (preto/branco) em outras peças. Também, combine tons próximos como, por exemplo, uma blusa roxa escura com outra roxa clara e uma calça neutra.


O número de combinações que não dão certo é zero. Existem combinações básicas que são certeiras, como: 
laranja+roxo; 
laranja+verde; 
roxo+verde; 
roxo+rosa; 
rosa+verde; 
rosa+azul; 
vermelho+amarelo; 
vermelho+roxo; 
vermelho+azul (este, particularmente, acho perfeito!)








Dicas: 
- O verão está marcado com a combinação laranja + pink
- Cuidado com os acessórios para não parecer um bloco de carnaval! (invista nos neutros e simples)
- Se dos pés a cabeça o estilo é o Color Block, no make opte pelo clean pra não fica over!




Fonte: www.leveleia.com.br